Desde os primórdios, várias áreas de conhecimento foram surgindo conforme a humanidade avançava. A ciência se multiplicou em todos os aspectos, sendo colocada como ponto de estudo social, tecnológico, linguística, biológicas (e mais), e se resumem em duas principais vertentes: humanas e exatas.

Como a internet não perdoa nada nem ninguém, há várias brincadeiras das pessoas dividindo a população com base nos dois nichos de estudo, de um lado os que possuem facilidade com números e racionalidade e do outro os que gostam mais das palavras, da emoção.

Fato é que não importa de qual área de conhecimento você seja, temos que concordar com uma verdade universal: o café une a todos. Por isso, dois matemáticos decidiram pensar em uma fórmula que possibilitasse a extração do café espresso perfeito, com todas as condições necessárias para otimizar a bebida e proporcionar uma degustação digna de nossos grãos favoritos.

Comandando o estudo, Kevin Moroney (Universidade de Limerick) e William Lee (Universidade de Portsmouth) estudaram com sua equipe as propriedades do café, seus atributos e qualidades. Neste estudo, descobriu-se que a bebida contém mais de 1800 compostos químicos que atuam em várias vertentes. Tais compostos tendem a ser gradativamente liberados e potencializados conforme sua preparação.

Os estudiosos constataram por meio de experiências nas várias granulometrias de café, que os grãos moídos de forma mais imperfeita, com pó mais grosso, tem seu grau de propriedades ativadas mais elevado do que os pós mais finos, resultando em uma bebida de maior qualidade. Observou-se que o pó de moagem fina acaba acumulando nas máquinas e obstruindo a passagem do líquido, além de deixa-lo amargo quando passado para a xícara. Já o pó de moagem mais grossa possibilita que a água passe em seu interior revelando mais propriedades do grão, potencializando a bebida e deixando-a com mais qualidade.

Além de todo o processo relacionado a qualidade, com a moagem mais grossa não necessário uma grande quantidade de pó para fazer um espresso. Assim, há uma economia por todos os lados sem perder o alto padrão, o estabelecimento ganha, o meio ambiente é poupado e o consumidor continua degustando o melhor do café.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *